quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Uma idéia para diminuir os problemas causados pelas Drogas!

Pois é meus caros leitores,

Passei algum tempo sem postar, mas já retorno logo com um assunto polêmico, que provavelmente despertará opiniões contrárias e será mal visto por muitos. Mas não me importo, esse Blog é para expressar o que acho e ponto.

Meu pensamento é simples, a Lei tá errada. "Um jurista dizendo que a Lei está errada?". Pois é, acho tá muito errada. Dar um carão? O Juiz dar um sermão no usuário e liberar? Acho isso errado. O que é que vai gerar esse sermão? Ele vai largar as drogas depois que o Juiz disse que é ruim? O PAI que o criou disse e ele não ouviu, por que ele ouviria o juiz, um camarada que ele nem conhece nem sabe quem é?

Também sou contra jogar nas penitenciárias! Eles não são bandidos comuns, nem simplesmente de alta periculosidade. Sou a favor de uma pena sim. A pena é para ressocializar, e é isso que penso que deveria ser feito. O viciado deve ser tratado como o doente que é. Para os mentalmente insanos existe um local separado, acho que o mesmo deve ser feito para os dependentes químicos.

Uma clínica de reabilitação, um lugar obviamente separando as clínicas em homens, mulheres, menores. Sim, um lugar para aquele menino que cheira cola, para o que fuma maconha, crack, cocaína, álcool. Muitos são cidadãos de bem, mas no momento que ingerem alcool se transformam. E não é algo raro e sim contumaz.

Assim sendo, concordo com a não existência da pena de prisão para o mero usuário, e sim a pena de tratamento, só sendo liberado quando o mesmo fosse considerado curado.

Isso é simples de fazer e implementar? NÃO! Isso é necessário? SIM!

Pois de outra forma o indice de usuários só tendem a subir. Não é repressão, é educação, as clínicas teriam policiais, mas só para manter a ordem e patrulhar, o tratamento seria feito por médicos e enfermeiros. Faria-se a desintoxicação. Após isso um acompanhamento com psicólogos e psquiatras. Inclusive aos que não tivessem tido acesso a educação nas oficinas teria uma alfabetisadora, bem como um professor que faria como um supletivo, a fim de que ao sair da clínica além de sarados fisicamente os pacientes também saissem sarados psicológicamente. Notaram a mudança no termo de Réu, Criminoso para Paciente?

Essa é a visão que defendo. Utópica, MUITO! O Humano não é mais o importante para a atual sociedade e sim o dinheiro. Então esse investimento seria alto demais para que desperte interesse.

Outro ponto que alguns podem se perguntar seria, "Quem vai dizer se o camarada é dependente químico ou um safado que tem de ir para a cela comum?".

Ao meu ver uma junta médica formada pelo Tribunal. E a medida que mais Estados brasileiros fosse adotando esse sistema ocorreria o intercêmbio de juntas. As juntas do Sul e Sudeste examinariam casos do Centro-Oeste, Norte e Nordeste, e assim sucessivamente, a fim de que os médicos das juntas não ficassem visados. Há várias maneiras de se fazer uma rotatividade, uma delas é simples, as juntas são temporárias, mudam a cada 3 anos...ou são concursados. Faz-se mais concurso para médico, aumenta as vagas, sei lá quintuplica cada vaga e faz o seguinte, os que atendem no ambulatório entram no rodízio e a cada 2 anos troca, quem tá no ambulatório parte para a junta e alguns da junta passam 2 anos no abulatório.

Bom essa é minha idéia para combater na raiz do problema as drogas. Não é eliminando o traficante que acabaremos com o tráfico, é eliminando o comprador. Se não compra, não dá lucro, se não lucra não tem para quê vender.

Mais uma vez, educação é a única chance que esse país tem para fugir desse monstro que são as drogas. Chega de tratarmos doentes como delinqüentes, muitos podem ter começado como delinqüentes mas a droga acaba com a pessoa, e antes de dependente, deliqüente, Indigente, ele é GENTE. A vida humana não parece valer mais nada hoje em dia, temos que mudar.

Aqui é Elrond Bruno indagando: Te dou todo o dinheiro do mundo, todos os produtos do mundo, te dou o mundo, agora você está SÓ nele, o último ser humano, o que você faz com seus brinquedos e seu dinheiro?

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Maneiras de tentar melhorar o sistema penitenciário!

Bom, conforme eu mencionei anteriromente a única maneira de vencermos o monstro gigante do sistema prisional brasileiro é com a educação, dentro e fora do presídio.

Óbvio que o Estado não tem conseguido suprir essa necessidade, os presídios são verdadeiros antros de caos, ninguém se respeita, os presos são tratados piores que animais, muitas vezes humilhados, misturados, não há uma divisão entre os criminosos pelos cirmes cometidos. Os Criminosos são postos soltos, misturados, como se fossem iguais, não por vontade, mas por falta de espaço.

Isso tudo que eu informo é visando apenas criticar? Não! Essa é apenas a constatação da atual situação. Minha idéia é simples, precisamos trazer a sociedade para junto. O que eu quero dizer com isso? Simples, vamos trazer as empresas para junto. Como? Dando incentivos. Libera tipo 2 anos de IPTU, de ISS, e afin. Para que? Simples, para que a empresa assuma por 10 anos a responsabilidade por tal presídio. ENTÃO VAMOS TIRAR OS GUARDAS? Não, os policiais permanecem, mas a responsabildade de alimentar, vestir, manter, pintar os presídio é da empresa.

Grande coisa, libera 2 anos de imposto, e o que a empresa ganhará fora isso? Aí é só a empresa ser inteligente, a empresa será liberada para investir nos presídios, dar aulas, ensinar os presos os ofícios da montadora. E o segundo grau e tal. Ensina se necessário ensino superior aos que se destacarem para administrar. Vincula-se um programa de ressocialização do preso, onde os presos que fizerem parte do programa saem do presídio não mais como desempregados e novamente sem prespectiva, mas com um emprego, carteira assinada e uma função que ele já sabia e exercia dentro mesmo do presídio. Assim, diminuimos o choque do claustro para a liberdade.

Como isso pode ser bom para a empresa, simples, teram empregados focados e esforçados. Essa é a chance que ninguém queria dar e eles tem, tem a chance de ter um futuro honesto. O preso que trabalha diminui a pena. Então eles terão mão de obra qualificada por eles mesmo em relativo pouco tempo. Por ser ex-presidiário o investimento nesse empregado não será perdido, sendo revertido para empresa em ganhos, pois em geral as empresas qualificam os empregados e as outras vem e roubam. O estigma de ex-preso manterá o investimento dentro da própria empresa que adotou o presídio. Além de incentivos do governo como abatimento no IPTU, e a sociedade que verá a empresa com filantrópica e comprará para ajudar o trabalho que a empresa está desenvolvendo ajudando na diminuição da criminalidade por absorver essas mentes outrora ociosas.

Benefícios para os presos? Todos. O encarcerado deixará de ficar com a mente ociosa, deixará de se rebaixar. Com um acompanhamento psicológico também fornecido pela empresa, ganhará equilíbrio. Receberá salário, desde dentro do presídio. Cada dia trabalhado servirá para que o mesmo reduza tempo de pena. O conhecimento que ele aprenderá nunca mais será retirado dele. O saber é o único bem que não se tira. Ele terá um sentimento integralista, será puxado da margem da sociedade para novamente ser parte dela.

Benefícios para a sociedade? Ao invés de se profissionalizar em crimes, ao ir para a cadeia o autor de fato delituoso sofrerá a verdadeira função da pena, que é a reeducação para inserção na sociedade. Ao invés de termos mais criminosos, ao sair da cadeia a pessoa sairia reabilitada, com um ofício, tendo pago a dívida com a sociedade e como um cidadão. Sem portas na cara, um trabalhador, uma verdadeira chance! Ao invés de um aumento de criminosos teremos um aumento de cidadãos.

Essa é uma maneira que foi pensada, essa é uma maneira a médio prazo, a longo prazo o único jeito de reduzir ao máximo o número de presos nas cadeias é com educação, dando educação desde cedo para nossas crianças e nossos jovens. Se educarmos nossas crianças, se motivarmos nossos jovens, se dermos objetivos de verdade para os jovens, veremos um Brasil que crescerá imensamente, se o mundo pensar de forma coletiva e não mais individualista, veremos um mundo ressurgir desse monte de lixo que produzimos. Ainda há chance, a educação a longo prazo é a única chance de tirarmos o maior número possível de pessoas do caminho do Crime.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: "Idéias eu tenho, só falta apoio, apoio da sociedade, apoio e visão das empresas para ver que dando esse suporte elas ampliarão seu mercado consumidor, bem como para ver que não haverá dinheiro que salve os ricos quando a Terra não suportar mais vida, por nossa causa!"

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Prender é fácil, quero ver Educar!

Não sei se alguém concorda com meus pensamentos, ou se aqueles que lêem meu blog me vêem com um sonhador, um utópico, um louco que não sabe o que está dizendo. Não importa, ao menos tenho a coragem de dizer o que ninguém espera que se fale.


Continuando nesse caminho meu assunto é polêmico e já batido, já discutido e já pacificado. O sistema prisional, assim como se encontra, está falido!

Temos um amontoado de homens, presos, sem grande distinção dos crimes por eles cometidos, misturados, em condições sub-humanas, alojados de forma precária e sem ter atividade construtiva. Enfim, temos um celeiro para criação de indíviduos marginais. Sendo aqui o termo empregado não no contexto de bandido, mas de seres a margem da sociedade. Indivíduos que não conseguem mais se reenquadrar na vida comum.

Uma vez dentro do presídio aprendem como roubar melhor, matar mais eficientemente. Enfim, entram como ladrões de galinhas e se profissionalizam a ponto de sair roubando até banco. Aprendem o código, e voam baixo utilizando-se do mesmo para fazer crimes mais leves e que os mantém mais tempo fora da cadeia.

No fim, a prisão de hoje não passa de uma jaula gigante onde jogam-se os presos e alimenta-se os presos, no mais, se vire.


Alguns devem pensar que sou contra presísidios...MUITO PELO CONTRÁRIO, acho muito necessário, mas temos que lembrar que nem animais são tratados daquela forma. Até para animais a requisitos mínimos para que ele fique acomodado, em não sendo obedecido o cidadão perde o direito de possuir esse animal encarcerado.

Agora devem tá pensando...."PRONTO O DOIDO QUER SOLTAR OS PRESO TUDO!!". Também não é isso. O presídio não é um depósito de presos, ao menos não era para ser. É um local onde os individuos que não estão podendo viver em sociedade são mandados para serem educados e ressocializados para que então possam novamente ser inseridos na sociedade e dessa forma manter-se equilibrados e a sociedade por sua vez também fica equilibrada.

Ou seja o presídio é um local onde os presos deveriam estar praticando atividades que o preparassem para sua libertação. Acompanhamento psicológico, trabalhando os traumas que uma vida dura desde a infância deixaram; Acompanhamento pedagógico, muitos não sabem ler, então professores para ensinar ao menos até o ensino médio; Acompanhamento profissionalizante, com cursos fornecidos por grandes empresas, para que os presidiários aprendam ofícios honestos, a fim de terem algo para buscar quando saírem da prisão.

"A você está sendo muito bonzinho com os presos, eles tem mais é que morrer..." Será? Qual o sentido da pena? Para quem não sabe a lei de Taleão : "Olho por olho, dente por dente" já não vigora mais. A mesma foi revogada a anos. O sentido da pena não é punir e fazer a pessoa sentir dor ou castigar, o sentido da pena é educar o transgressor para que o mesmo tenha ciência que cometeu um erro e qual foi esse erro e dar condições do mesmo não cometê-lo novamente.

Essa é a idéia moderna do sentido da pena. Ao jogar o preso no presídio você só está instigando o ódio e criando um mosntro para devorar o sistema.

O que eu quero dizer com isso? A única saída é através do estudo, da educação da população carcerária. Da garantia de acomodações dignas, refeições dignas, estudo e orientação.

"Ah mas um pai de família trabalha muito, ganha tanto e mal consegue sobreviver e você quer dar tanta regalia pra preso, vou roubar e ser preso..." - Amigos, a idéia não é matar quem rouba é reintegrar, temos que dar condições desse indivíduo poder ser também um pai de família digno e não um marginalizado. Não sou contra o pai de família, sou a favor de uma baixa nos preços dos produtos para que os pais de família veja, seu dinheiro mais valorizado. Na verdade, podem me chamar de louco, mas sou contra o dinheiro, para mim foi a pior invenção da humanidade, para mim se todos tivessemos o objetivo de fazer o planeta progredir e fizessemos nossa parte sem precisar de dinheiro e todos com acesso a tudo o mundo seria mais simples, mas isso é outro debate filosófico.

Sou a favor do ser humano, o pai de família tem TODO direito de ter uma vida digna, assim como o preso que muitas vezes não teve outra opção senão cometer o crime e está preso injustamente. E mesmo os presos por terem cometido efetivamente o crime eles tem o direito de serem ressocializados, mas sozinhos não conseguirão. Precisamos pensar nos presos como o que eles realmente são HUMANOS. Quando pararmos de trata-los com bicho ou números e personifica-los, aí sim, começaremos a seguir com a humanidade por um caminho mais justo e correto.

Não é uma tarefa fácil, muito menos rápida, porém, ao final da mesma o índice de crimes tenderá a cair vertiginosamente. Levar-se-á decádas até que a humanidade como um todo comece a valorizar o tratamento que deve ser dado ao detento.

Então, não existe um meio de resolvermos isso a médio prazo? Só quando a humanidade mudar? Só a longuíssimo prazo?

NÃO! Há formas de adiantarmos algumas coisas, eu falei que a humanidade demorará, mas alguns poucos que já tiverem tal consciência podem ir apressando os acontecimentos, mas isso já é o assunto do próximo post.


Aqui é Elrond Bruno dizendo: "Preso não é igual a lixo, ele deve ser tratado com o mesmo respeito de qualquer indivíduo.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Rumo ao CaOs!

É...neste domingo estive no Hospital Santa Joana com minha namorada que necessitou ir a emergência, mas não é sobre o caos na saúde que quero falar, é na verdade ainda sobre o tema EDUCAÇÃO. Por que narrei a ida ao Sta. Joana? Porque lé encontrei um dos meus antigos professores na católica, ao reconhecê-lo fui cumprimenta-lo, afinal, minha formação profissional também se deve a influência dele e aos seus ensinamentos.
Mais tarde na espera interminável acabamos conversando, e me vi perguntando sobre os alunos, se estavam mais empenhados. A resposta que tive foi, estão mais mal educados!
Faltando com respeito ao professor.
Quando eu sai da católica os alunos iam assistir aula de calça e havaianas, aulas de direito, que é um curso que preza pelo tradicionalismo, hoje em dia o professor disse que os alunos vão de camiseta regata, bermuda e havaianas.
O que aconteceu? Não sou contra uma certa dose de informalidade, mas todo excesso é nossivo. Não creio que seja respeitoso ir para um ambiente onde você está construindo seu futuro profissional como se a praia fosse. Acho que cada ambiente tem uma roupa própria. Não mata ninguém ir a faculdade ou Universidade com uma calça jeans e camisa normal e um tennis. Vejam que não estou aqui pedindo um traje Esporte Fino ou qualquer coisa, só estou a pedir decoro.
Por que me preocupar com a roupa? Simples, porque a mesma reflete o público que está no curso, reflete a postura do estudante. Por que me preocupar com isso? Óbvio, porque esses alunos, mal educados, que não respeitam os professores, que pensam que podem tudo serão os futuros operadores do direito, juízes, advogados, delegados. Se o vulgo acha que os juízes são prepotentes agora, esses que tiveram dos pais a educação correta, que sabiam respeitar as normas e tudo mais, imagina um juiz que nunca teve limite na vida, imagina que esse garoto que se acha a bala que matou Getúlio com uma arma na mão. Pensou? Entendeu meu receio?
Não sou contra roupas informais, sou contra o excesso de informalismo. Assim como sou contra o excesso de rigidez. O meio termo é sempre mais benéfico. Tive professores linha dura, mas que tenho como amigos e tenho um grande carinho e uma grande admiração. Assim como tive professores lights com quem também me identifiquei. Fico feliz quando os mesmos falam comigo com carinho e amizade, mostra que consegui o que queria.
Sempre fui brincalhão e não deixei de ser na faculdade, muito menos na sala de aula. A diferença? Noção, existem momentos para brincar, para ser mais liberal e existe momento para calar e prestar atenção nos ensinamentos. Mas acima de tudo, o respeito. Liberdade é diferente de Libertinagem. Muitos alunos confundem tornando-se chatos inconvenientes e desrespeitosos.
Sem falar na postura em sala, existem casais que ficam namorando em plena aula. Casais que ficam a dois passos de uma conjunção carnal no meio dos corredores. Mulheres com cintos largos apelidados de saia e sem um shortinho por baixo...como se o fato de usar essa saia já não fosse impróprio ao ambiente acadêmico, ou shortes tão curtos que mas parecem uma calcinha jeans. Mini blusas. Enfim, falta compostura. Como já disse não sou a favor de mulheres usando "Burca" ou "Habitos", mas também lembrar que existe um limite entre Fashion e Vulgar. Principalmente lembrar que ao sair para a faculdade, não é ao Shopping ou a Zona que se está indo e sim a um ambiente acadêmico que merece ser tratado com toda seriedade e que nossa roupa ajuda a informar a visão que temos do ambiente.
Temo pela próxima geração de juristas que vem com uma postura demasiado informal e desrespeitosa. A faculdade é o primeiro contato com o mundo profissional, se já começamos assim, imagine como estaremos daqui a alguns anos.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: valores como respeito, educação, moralidade e compostura não devem sair de moda nunca.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

ENSINAR X EDUCAR

Como o prometido, esse post é sobre minha visão, sobre tudo que aprendi, sobre a diferença entre EDUCAR e ENSINAR! Qual o papel dos pais? Qual o papel da escola?

Como eu já informei anteriormente, os pais do mundo moderno tem cada vez mais confundido conceitos. A idéia atual é, façamos o menino e jogamos no colégio e ele se responsabilizará por tudo. O Blog não tem limitação, quem quiser pode comentar e tentar me desmentir, mas lembre-se, uma coisa é o que você ACHA que está fazendo, outra coisa é o que seus atos falam de você.

Poucos pais hoje em dia se preocupam em educar o filho, em usar a palavra NÃO. Para quem não sabe a palavra NÃO é muito mais recheada de amor do que o SIM. O sim é a permissividade, é o qualquer coisa pode, o problema é que não pode, se você não ensina isso para seu filho o mundo vai ensiná-lo da pior maneira possível. Ele sofrerá, ele será execrado, ele será o chato, ele será excluído.

Os pais tem deixado para que a escola dê a seus filhos educação doméstica...as crianças vão aos colégios e respondeme aos professores, quebram coisas em sala, bagunção com tudo e o que os pais fazem? Aplaudem e riem. ERRADO! Isso não é aceitável em qualquer nível! Isso é Criminoso! Isso é fazer MAL aos seus filhos!

As crianças estão perdendo o respeito pelos mais velhos, não se respeita mais as gestantes, cadeirantes, idosos. Os pais ensinam aos filhos a sempre passar a frente de quem quer que seja, a ser um trator, derrubando tudo e todos sem dó!

Os pais não ensinam mais o respeito, ensinam o medo...fazem o filho ter medo para obedecer...isso é certo? Os pais não conversam mais com os filhos, chegam em casa e vão tomar banho, as vezes comer, ver tv e o filho que fique lá...Se por acaso tiver dúvidas, o pai joga pra mãe que joga pro pai, que no fim o garoto desiste e vai ao google.

As crianças estão aprendendo a ser sozinhas, estão crescendo sem orientação, tendo por orientação jogos virtuais e programas televisivos, bem como tudo o que se joga na internet.

Eu tenho crises de riso quando leio que alguns pais acham jogos violentos e querem tentar proibir o comércio deles no Brasil, que o JOGO é culpado, que a INTERNET é culpada, se o menino começar a ler a Bíblia até ela será culpada, a única coisa que nunca é culpada são os pais. Engraçado que são os ÚNICOS culpados...

Sempre joguei RPG, jogos de Tiro, vi filmes de ação, terror...e nunca tive vontade de pegar uma metralhadora e chegar no centro da cidade e matar todos...Por quê?
Porque eu sou um super ser humano imune....Porque eu sou um ser mega desenvolvido melhor que vocês amebas que se dizem pais...NÃO, esses porquês que falei antes são falácias, a razão é que tive acompanhamento, família, educação familiar. Aprendi a respeitar as pessoas que tem menos dinheiro ou que sejam mais humildes da mesma maneira que eu respeito um podre de rico. Aprendi que devemos respeitar os mais velhos, que cadeirantes tem preferências, que gestantes tem preferências.

Não aprendi isso no colégio. Foi em casa. O colégio não me educou, ele pode até ter auxiliado em pontos sutis, mas no colégio eles me ensinaram, matemática, ciências, história, geografia, desenho geométrico, português, Inglês...O colégio tem função de ensinar as matérias que precisamos saber, de nos ensinar como o mundo funciona, mas como nos portamos quem tem que nos educar são nossos pais. O colégio é feito para reforçar aquilo que já se diz em casa, entretanto hoje eles tem sido postos na condição de além de prover ensino deve prover a educação...que nunca será a mesma que os pais ofereceriam.

Temo pelo futuro, crianças sem noção de família, humanos frios e desequilibrados, não parece uma boa receita para um futuro próspero! 

Ainda há tempo, EDUQUE seu filho, ensine-o, seja rígido, não é amor, sim é fácil...o caminho fácil não via levá-los aonde vocês gostariam de estar.
Se acha que estou errado reflita um pouco, inicie uma análise mais detida e depois comente, estou tão louco assim? Será que essa visão está distante da realidade? Se não for seu filho olhe os amiguinhos dele, olhe os pais e me diga, quão próximo dos filhos os pais são hoje?


Aqui é Elrond Bruno implorando para que tenhamos consciência dos nossos atos enquanto ainda podemos fazer algo para mudá-los e salvar o futuro! 

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Reflexão válida para o futuro!

Hoje pela manhã recebi um e-mail vindo de uma amiga, ele trazia uma mensagem supostamente de Heberte Vianna e ao final uma frase que teria vencido em um congresso sobre vida sustentável, a frase seria:  “Todo mundo 'pensando' em deixar um planeta melhor para nossos filhos.... Quando é que 'pensarão' em deixar filhos melhores para o nosso planeta?”

Se perceberem, é bem a tecla que venho batendo a algum tempo. A geração que chegou a pós a geração saúde foi a geração Junk Food. A geração "what ever". Essa geração para quem o mundo real é o mundo dos bites e o mundo de carne e osso é só um lugar monotono onde tenho que ficar até chegar em casa e partir para meu verdadeiro mundo.

Diziam que os programas que minha geração assistia eram violentos, que minha geração era cheia de filmes violentos, desenhos violentos, e tentaram modificar isso, resultado...fizeram desenhos educativos, modificaram os padrões criaram sensuras, e o resultado, geração de psicóticos...Não lembro de na minha época haver tantos jovens metralhando colegas em sala, matando os amigos.

Os pais traumatizados com sabe Deus o que, ou melhor, os pais EGOÍSTAS DEMAIS para ver além dos seus desejos e vontades, largam os filhos para que a TV e os outros meios os eduque. Depois os pais começam a ver os frutos desse desleixo e passam a achar ruim a postura dos filhos. Quando vão tentar correr atrás do tempo perdido, muitas vezes já é demasiado tarde e os filhos ou já estão no mundo das drogas ou envolvidos em crimes.

As crianças crescem aprendendo a ser consumistas, os pais passam a achar que gastar dinheiro com o filho é sinônimo de se importar. Se eu pago uma psicóloga isso supre o tempo que eu devia brincar com ele. Se eu pago um DVD isso supre o tempo que deveríamos sentar e colorir, ler, cantar...enfim...dinheiro não cria laços. Dinheiro cria o que estamos vendo, morte pela herança, assassinatos, desvalorização da vida.

Pensemos, se não há vida para valorizar o que o indíviduo valorizará? Sim porque ficar agarrado a um video game ou DVD ou Blue Ray ou TV...isso não é vida. Ele não sente o calor do amor dos pais, ele não sabe o que é sentir a vida, ele não sabe o que é carinho ou qualquer coisa assim...então...volto a perguntar...Se não sabe-se o que é vida, como podemos exigir que se dê valor a mesma?

"Não podemos! Não há o que fazer...Devemos desistir, o futuro está selado! O fim será filhos matando os pais."

BESTEIRA! Isso é um pensamento derrotista inaceitável. Como mudar? Explico: Ame seu filho, curta seu tempo com ele, passe tempo com seu filho, brinque, corra, pega-pegô, Pega-Congelou, Estátua, Batatinha Frita 1 2 3, Esconde-Esconde, passa anel, a barca virou, minha barquinha vai carregada de....
Brinque, não importa que seu trabalho é cansativo, VOCÊ inventou de por esse ser no mundo. Para esse ser VOCÊ é o mundo dele. Você é tudo que ele quer ser, então seja o herói que ele acredita que você seja. Ame-o, arrume forças do infinito, mas seja um pai, seja uma mãe. Só há uma forma de mudarmos o futuro, educando nossos filhos, educando no amor...para as escolas fique o papel de ensinar...para os pais seu dever é educar.

Meu próximo Post será entre a diferença entre ENSINAR e EDUCAR, muitos pais tem se perdido nisso e passado o dever de EDUCAR para as escolas, quando a mesma só deveria ENSINAR.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: Agradeço a minha mãe que sentava no chão ao meu lado quando eu era crinaça. A minha mãe que brincava de massa de modelar comigo, de pintar de construir de desenhar...agradeço por minha mãe ter sido mãe!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Poesia Matuta!

O "Homi" e "Mulé"


"Homi" é bicho engraçado
"Homi" é bicho safado
"Homi" pensa que é sabido
Mas junto de "mulé", tá é perdido

"Homi" gosta de farrear
Outras cabrochas afeiçoar
"Homi" acha que esconde
Mas "mulé" vê de loonge!

"Homi" se vê um rabo de saia,
Fica que é fogo só
E a "mulé" que num si atrapaia
Dá-lhe logo uma no gogó!

 - 'Tá olhando o que cabra safado?'
 - 'Né nada não minha flô,
Tava olhando aquele bordado!'
 Fala isso desaprumado e muda de cor!

"Mulé" é bicho faceiro
"Mulé" é bicho traiçoeiro
"Mulé" é bicho astuto
Mais ainda "mulé" de matuto!

"Mulé" é bom demais,
Tem umas que nem Satanás!
"Mulé" é bicho que encanta
Nem toda "mulé" é santa.

"Homi" quando apronta chega cheio de manha
Trás presente, flor e doce
Chega logo e faz campanha
Como se namorado fosse.

A "mulé" descofiada de tanta "agradação"
Com carinho e com dengo
Arranca tudo do cristão
E "homi" tão sabido, acaba se f....




Autor: Bruno Loreto Guedes

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Escola ou Comércio?!

Fato: Passei hoje na frente de uma das escolas mais notórias de Recife e percebo que a escola está fechada...lembro-me em seguida que hoje é um feriado, dia do comerciário...
Chego ao trabalho ainda estarrecido de como as escolas decidiram finalmente assumir que eles não passam de uma forma de comércio, nada além de mais uma venda...Chega de educar, vamos lotear conhecimento.
Mas ao chegar eu descubro que na verdade como o dia dos professores foi em um Sábado e eles como não comemoraram passaram a comemoração para segunda-feira. Suspeito?
Não entendo...Quando o dia do trabalho cai num Domingo por acaso o trabalhador ganha o feriado na segunda? Eu não vejo isso.
Conscidência caiu a comemoração JUSTAMENTE junto com o feriado dos comerciários...que infeliz coincidência...Porque para mim inspirou esse post, um post comentando o rumo da educação.
Hoje temos escolas que ensinam nossos filhos a marcar um "X" numa prova de vestibular. Mesmo quando colocamos nossos filhos em colégios que possuem um fundo religioso não temos nada além de mais um comércio. As escolas viraram centros mercantis, onde a instituição ganha com fardamento, mensalidade, eventos e afins. Os pais sacrificam-se para pagar mensalidades exorbitantes, acreditando que seu filho está sendo instruído, está aprendendo a pensar, aprendendo história, quando na verdade não vemos essa atitude. Se tenho filhos? Não, mas tenho uma irmã. Minha madrasta ao tentar ler o livro da minha irmã ficou confusa. Ela mesma não entendia direito. O livro não falava da escravatura, não falava da república, não falava da ditadura, nada...falava em Capitalismo, Socialismo...Como entender o Macro sem termos a menor noção do Micro?
Como podemos simplesmente fazer que as crianças compreendam a complexidade do mundo moderno se não mostrarmos os erros do passado?
Religião...foi-se o tempo em que essa disciplina representava algo útil, hoje em dia utilizam-se da cadeira para enrolar...com atividades sem graça ou conexão com a religião...Não sequer um estudo teológico.
Não criamos cidadãos nas escolas, criamos maquinas de marcar "X". No ensino médio, científico, ou seja lá como chamam hoje, não aprendemos qualquer ofício, não nos ensinam nada que possamos utilizar caso não tenhamos interesse em uma universidade.
O caminho lógico não é todos nas universidades, nem todos tem a mesma aptidão e todas as profissões são dignas. Se a pessoa quer ser mecânico, não necessita de uma formação acadêmica, temos que ter a coinsciência que o jovem tem que ter a opção de não entrar na faculdade. Quando terminamos o ensino médio não sabemos nada...não temos nada, a unica opção é no graduarmos num curso superior para talvez termos uma chance.
Está errado! Não aprendemos a raciocinar, aprendemos a ver cascas de banana. O Vestibular não procura pessoas que saibam a matéria, não procura vocação, procura uma pessoa que saiba fazer a prova de vestibular, PONTO. Chega na faculdade o jovem não sabe o que fazer, ele não foi ensinado a pensar, o sistema criou um marcador de "X".
Talvez as escolas devessem ser limitadas...os valores das mensalidades controlados...os salários dos professores DIGNOS, talvez com um lucro menor os comerciantes deixassem as escolas para os educadores.
Talvez ao retornar às mãos dos educadores as escolas tornem-se novamente um centro de saber.
Quem sabe ao invés de aprender a contar valores nossos filhos passem a aprender a entender sua própria história, e não cometer erros seguidos que vemos se repetirem por pura ignorância do passado.

Aqui é Elrond Bruno clamando mesmo que solitariamente por uma reforma nesse ensino, quero escolas, ginásios e não mais lojas de saber chulo e limitado pela ganância de comerciantes do ensino.  

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Discordo do Exame da OAB nos Moldes em que hoje se encontram.

    Eu já tentei compreender de toda maneira esse exame da OAB - Ordem dos Advogados do Brasil. Esse exame de admissão que hoje assemelha-se muito a um concurso público, sem limites de vaga mas que permanece reprovando tanto quanto qualquer concurso.

    
    A pergunta inicial do leitor deve ser, O QUE VOCÊ NÃO ENTENDE?

    A resposta é complexa...Eu não o entendo por inteiro...A idéia é ver se a pessoa tem condições de ser advogado, msa não fazem questões para verificar isso...pelo contrarário, fazem pegadinhas para derrubar o candidato? NÃO HÁ VAGAS...POR QUE DIABOS DERRUBAR CANDIDATOS? A idéia do exame é saber se o bacharel absorveu o conhecimento mínimo necessário para que o mesmo seja advogado, e por que esse massacre? Não vemos isso no CRM, CRO, CREA....Será que é porque esse modo como vem sendo feito gera uma boa renda para OAB?

     Falando em renda...o valor do exame é R$200,00 para dois dias de prova e em geral o prédio onde o exame é realizado é cedido. Façamos um paradigma o concurso para Juiz de Direito de Pernambuco, em Pernambuco o valor da inscrição foi por volta de R$175,00; o concurso para Juiz compreende fase objetiva, fase discursiva, dois dias fazendo sentença, civil e penal e fase oral...fora a prova de títulos...ou seja são 5 dias de prova por R$175,00...Se você for aprovado você ganha um Subsídio bem rezoável. Mais de R$10.000,00. Agora vejamos a OAB, R$200,00 para fase objetiva e discursiva mais peça...ou seja 2 dias. POR R$200,00. Se aprovado você paga a anuidade...e se vira para trabalhar e tentar ganhar teu dinheiro...Para fazer o juramento tem de pagar a anuidade....ou seja...eu pago caro para uma prova que no fim eu vou ter que pagar mais????

     Realmente não concordo com os moldes que o exame da Ordem vem sendo feito, o rumo que ele passou a tomar. Não acho que esse exame é algo aceitável.

     Esse exame não é algo que nos faça ter bons advogados, na verdade esse exame só nos faz ter raiva. O bacharel é submetido a algo que não condiz em nada com a realidade vivida. É um exame fraco, sem conexão com o mundo real.





Aqui é Elrond Bruno perguntando quando é que se terá respeito para com os futuros advogados...A OAB não se importa com os futuros advogados, não se importa com os antigos, a Ordem negligência seus credenciados e só olha para os seus bolsos.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Poesia Reflexiva

O Refletir de uma Vida!


O sussurrar de uma vida
Um suspirar de esperança
Toda a mágoa sofrida
Agora a alma descança

Um piscar de olhos
Simplesmente relance
Transpassar os domínios de Hórus
O outro mundo ao meu alcance

Chegou ao fim minha caminhada
Foi bom estar aqui
Começo agora uma nova estada
Hora de ver o quanto cresci

Não pares de caminhar,
Tão pouco se consuma em pesar.
Minha vida aqui foi boa
Minhalma agora ecoa.

Sinto o universo de maniera intensa
Ele é muito mais belo do que se pensa
Sinto a efêmera vida terrena
Não sintas pena

A vida aqui é bela
Sem dor ou sofrimento
A minha amada terra
Rogo pelo seu crescimento

Falta a crensça em algo maior
Falta a vontade de ser bom
Desta terra sinto dó
Mas de preces surge o som!

Som de esperança, opção
Som da verdadeira salvação
Salvação através do amor eterno
Surge o sentimento fraterno

Chega de guerras, miséria, dinheiro
Trabalhe por amor ao que faz
Moremos todos bem por direito
Comida para todos e paz

Nada é meu, nada é teu
Apenas passamos por essa vida
Só levas aquilo que viveu
Largas mão dessa poeira querida

Teu espírito não leva terra
Tua alma não leva salário
Teu Deus não quer tua grife
Teu pai não quer teu terreno

O que te é importante?
Grandeza excessiva te faz insolente
Humildade é teu escudo
Caridade e Aprendizado tuas armas

Ainda lembro do sussurrar que foi minha vida
Oitenta e nove anos para aprender
Uma gota de tempo para o que é relamente a vida
Hoje onde estou nunca paro de me surpreender.



Autor: Bruno Loreto Guedes

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Dilema eterno dos relacionamentos X amizades!

Esse post é puramente de pensamentos soltos e desconexos sobre um tema que desejo falar, porém não sei ao certo como aborda-lo. Em assim sendo, decidi abordar ambos os lados, pois já estive em ambos os lados.
Começarei pelo básico, os amigos. O lado inicial do primeiro atingido, o amigo. Quem nunca teve um amigo que desapareceu enquanto namorava? Não falo ocasionalmente, falo do convivio. De repente ele não aparecia para nada mais. Convidá-lo era o equivalente a falar com uma porta.
A ponto de fulerar aniversário de amigos de infância, só por conta da namorada. Uma namorada que chegava a atender o telefone dele, fingir a voz e desligar em seguida.
Amizades que deixam de parecer importantes porque o namorado ou a namorada arranja pretexto para tudo. Não digo que não tenham tempo a sós, mas alguns esquecem seus próprios amigos e passam a viver unicamente os amigos de um lado do casal. Engraçado como nunca é o nosso.
Como evitar isso? O pior que é simples. Não falo a toa, eu sou um desses amigos que sumiu por cerca de 2 anos, no primeiro ano eu ainda aparecia, mas por dois anos eu sumi da vida dos meus amigos, por namorar uma pessoa controladora e não ter imposto minha vontade.
O que aconteceu? Aquilo que é fadado a acontecer nesse tipo de relacionamento, acabou. Não havia companheirismo, havia uma unilateralidade, onde meus amigos = lixo só as amizades dela prestavam.
Como resolvi isso nos namoros seguintes, conversando, informando que não deixaria de ver meus amigos por causa de mulher nenhuma. Ainda assim uma namorada tentou me afastar dos meus amigos, findou terminando também.
No meu relacionamento atual antes mesmo de começar, sentamos e conversamos muito e decidimos que ambos teriam espaço para as amizades individuais. Que quando quisessemos veriamos nossos amigos sozinhos, sairiamos com os amigos. Dessa forma preservamos nossa individualidade, partilhamos bons momentos e acabamos saindo um com os amigos do outro, formando no fim um enorme grupo, onde as vezes saimos com um, outras vezes com outro, outras vezes com os dois juntos, as vezes o casal sai, outras vezes ela sai, outras vezes eu saio.
O mais importante, hoje tenho um relacionamento onde tenho meus amigos, minha namorada e fiz novos amigos.
O ponto que acho mais importante em falar é que as vezes acontece é que os amigos hotilizam  o namorado ou a namorada, então, a partir daí ocorre o fenômeno que é o pivô se magoar.
Não podemos na qualidade de amigos cobrar excessiva presença da pessoa. As vezes até por medo do passado ou sei lá que razão torpe seja. O papel do amigo é ver se há felicidade no amigo e ajudar para que ela se mantenha e não tirar a felicidade da pessoa.
Se por acaso ela após os 3 primeiros meses se afastar demais, aí sim devemos dar a primeira chamada.
Se persistir informar, "Você está fazendo novamente".
E só ao fim de um ano é que podemos infernizar de verdade!
Lembremos que cada pessoa guarda diferenças, lembremos também que o passado nos ensina e que tendemos a não querer nos magoar da mesma maneira novamente.
Não ponham o carro na frente dos bois.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: Eu avisei que era um jorro de pensamentos desconexos!!!!

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Ainda Acerca da Ditadura!

Apesar De Você


Chico Buarque

Amanhã vai ser outro dia

Hoje você é quem manda

Falou, tá falado

Não tem discussão, não

A minha gente hoje anda

Falando de lado e olhando pro chão

Viu?

Você que inventou esse Estado

Inventou de inventar

Toda escuridão

Você que inventou o pecado

Esqueceu-se de inventar o perdão



Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Eu pergunto a você onde vai se esconder

Da enorme euforia?

Como vai proibir

Quando o galo insistir em cantar?

Água nova brotando

E a gente se amando sem parar



Quando chegar o momento

Esse meu sofrimento

Vou cobrar com juros. Juro!

Todo esse amor reprimido

Esse grito contido

Esse samba no escuro



Você que inventou a tristeza

Ora tenha a fineza

De "desinventar"

Você vai pagar, e é dobrado

Cada lágrima rolada

Nesse meu penar



Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Ainda pago pra ver

O jardim florescer

Qual você não queria



Você vai se amargar

Vendo o dia raiar

Sem lhe pedir licença



E eu vou morrer de rir

E esse dia há de vir

Antes do que você pensa

Apesar de você



Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Você vai ter que ver

A manhã renascer

E esbanjar poesia



Como vai se explicar

Vendo o céu clarear, de repente

Impunemente?

Como vai abafar

Nosso coro a cantar

Na sua frente

Apesar de você



Apesar de você

Amanhã há de ser outro dia

Você vai se dar mal, etc e tal

La, laiá, la laiá, la laiá


O post de hoje é uma música de Chico Buarque, uma música que nos dá uma idéia de como se vivia naquela época, uma música que vem recheada de metáforas que faz com que os alunos e professores de Letras passem uma vida se debruçando na letra e ainda achando pontos novos.
O principal, ponto de vista, que foi inclusive uma razão de censura para música é que esse a quem Chico tanto se refere é ao exército. É a ditadura.
Para aqueles que não viveram, para aqueles que ainda não sabem do que estou falando, recomendo que se vá atrás. Você que leu esse blog por acaso, estava passando leu e pensou, do que ele está falando, recomendo seriamente uma pesquisa mais profunda. Busque, observe, chega de censura velada, vamos tirar o véu posto para nos manter nessa eterna ignorância. Chega de vivermos nas trevas do não saber, do nos escondermos na ignorância, de ouvirmos por aí pessoas novas e até com instrução falar que queria a ditadura pois o país era melhor.
Está na hora da população entender o que aconteceu no seu próprio país.

Aqui é Elrond Bruno na campanha "Ensisem sobre a ditadura nas escolas!"

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

E Quando Vier a Fama, vou saber ser Famoso?

Essa é a pergunta que muitos que sonham em se tornar homens públicos deveriam pensar, antes mesmo de querer ser famosos;
Por que uma guinada tão radical na linha das postagens? Simples, para poder homenagear quem merece.
Alguns artistas passam a vida lutando para serem famosos, quando conseguem passam a ser esnobes, a tomar uma distância de seus fãs e a evita-los. E a ficar com raiva ou incomodado quando se dirigem a ele.
Não raro isso ocorre, não apenas com artistas, mas também com políticos que após serem eleitos querem viver no seu mundinho fechado, com seu círculo de amizades e fica incomodado quando alguém se aproxima para falar com ele.
Mais uma vez quero parabenizar os que conseguem não subir nesse pedestal imaginário.
Como exemplo usarei algo que me ocorreu recentemente: Sou fã do grupo de comédia Cia de Comédia Os Melhores do Mundo. Como já fui a espetáculos, assisti peças. Na última peça que apresentaram aqui, "Sexo", ao final estavam sendo vendidos os DVDS do grupo, como eu já tinha o "Notícias Populares", comprei o "Hermanoteu" e fiquei para pedir autógrafos e falar com o Grupo naquela expectativa, sem saber se iam ou não falar conosco.
Resultado, não apenas vieram tirar fotos, como foram extremamente educados e atenciosos, todos eles o Welder, Pipo, Siri, Jovane, Victor, Adriana não fazia parte dessa peça, e não estava presente, por isso não apareceu para falar. Sem exceções, preocuparam-se em conversar,  não apenas assinar papéis e sair. Ficaram, sem pressa, apesar de terem que pegar um vôo. Falaram com os fãs e podia-se ver a felicidade pelo carinho do púplico e em contra partida, via-se o respeito dos fãs pelos seus ídolos.
Como não se bastasse enviei um e-mail para Ricardo Pipo, falando ser fã e comentando alguns assuntos que eu nem esperava resposta grande, eu achava que vinha um obrigado, li seu e-mail, algo clichê, afinal eles são ocupados e tem suas vidas abarrotadas de coisas, qual não foi minha surpresa ao receber uma resposta dele, num nível o qual nunca esperei. Ou seja, nossos e-mails não caem na caixa postal e uma pessoa copia e cola respostas padrões, ele trata com respeito e educação.
O triste é isso ter que ser exaltado por ser raro, ao invés de considerarmos normal por ser cotidiano dos famosos.
Mas fico feliz de saber que sou fã de pessoas que merecem a atenção.
Conheci alguns humorístas de Stand Up e eles também são acessíveis, artistas com Dirceu Siqueira, Nil Agra, Kedney Silva, Murilo Gun, Ben Ludmer, pessoas extremamente acessíveis e receptivas ao convívio com o público.
Isso é saber ser famoso, não importa sua fama, não importa o quanto se ganhe, saber que somos todos mortais e iguais. Só se é famoso porque têm-se fã. Sem fã não se tem fama.

Agradeço a atenção dos Melhores do Mundo, se eu já era fã me tornei o quítuplo. Parabéns por seu trabalho.

Parabéns aos humorístas de Stand Up que atuam em Recife, ajudem a crescer a vida teatral desta cidade.

Aqui é Elrond Bruno implorando a Deus para que se um dia tornar-se famoso, ter a serenidade de ser atencioso e lidar com o público.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

"Para não dizer que não falei de flores" MURCHAS!

"Caminhando e Cantando e seguindo a canção!"
Essa frase já representou tanto, já representou ideais, já representou uma juventude engajada e com uma cabeça mais politisada. Essa frase representa a luta de uma época, uma época onde pensar era sinônimo de subversão, onde opinião era somente a dos homens que estavam governando. Onde a ordem: "SENTIDO!"; representava também o sentimento do país.
Por que abordar assuntos "mortos", águas passadas?
Simples, porque ninguém o faz. Não se fala da ditadura, não se falam as bárbaries cometidas por BRASILEIROS, contra BRASILEIROS. Não se fala que se ainda estivessemos naquela época ao terminar de postar essa tempestade de idéias eu provavelmente estaria preso, e lá poderia sumir, tentariam fazer com que contasse dos meus comparsas, onde estariam. Não importava a inexistência dos mesmos.
"Por que falar disso? Deixa para lá garoto! A luta foi vencida, aproveita tua vida!" - Muitos pensam assim. A resposta para a perguntar é profunda.
Estudamos o capitalismo, estudamos o comunismo, estudamos a escravidão, estudamos como fomos sem vergonhas e um dos últimos, se não o último a abolir a escravidão, mas pergunta para seu filho o que foi que ele aprendeu na escola sobre a ditadura militar no Brasil.
Eu tive sorte, minha família foi marcada pelas mãos negras da ditadura, meu professor do 2º e 3º ano Da Mata, era excelente e nos deu a visão real de muitas coisas.
Mas quantos existem por aí? Por que a vergonha? Na hora de fazer todos riam, todos humilhavam e se achavam os melhores? Por que hoje o Brasil deve apagar o que fizeram? Esquecer?
Existem pessoas que acham que foi mentira, que isso não aconteceu, que é doidice, sandices, esses velhos são loucos!
Lógico que vão pensar assim, não falaram para eles, não aprenderam nada . Eles não sabem o que houve decadas atrás, e permanecerão na ignorância, pois muitos dos nomes que fizeram o mal ainda permanecem no poder como deputados e senadores...
Escondidos sob o manto do bom cidadão, ocultando as bárbaries que defendiam. Pessoas que hoje falam em liberdade de expressão e que censuraram até mesmo Sócrates e Platão. Para os que não sabem as matérias dos jornais não podiam sair sem aprovação, e mesmo que o jornal fosse 90% censurado o mesmo deveria sair, para que não aparentasse haver censura. E não poderia ter espaço em branco. Ao tentar publica Sócrates, Platão dentre outros pensadores GREGOS, os militares disseram que eram comunistas e censuraram, assim o jornal saiu publicando receitas de bolos variados, no meio das notícias.
Hoje os jovens que deveriam saber o que é política, para que serve e se tornar um cidadão, são alienados, ouvem músicas que não dizem nada, em nada aumentam sua perspectiva social. Por fim ainda dizem que odeiam política e em gereal votam nulo "Porque é tudo a mesma droga, se eu tivesse lá também roubava.".
Não foi isso pelo que meus pais, meus avós lutaram, não aceito esse Brasil. Hora de lutar, por que falar da ditadura? Porque tá na hora da juventude saber o que aconteceu ao seu país no passado. Não digo para que todos tenham as mesmas idéias. Todos tem direito de achar o que quiser, é por isso que nós lutamos, para que possamos dizer o que pensamos, para escolhermos os partidos que queremos, mas também termos homens decentes como representantes. Chega de mandar lixo para nos guiar. Precisamos conscientisar os nossos frutos. Precisamos acordar nosso futuro.

Aqui é Elrond Bruno: "Vem, vamos embora, esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer."

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Caminhando, andando, seguindo em frente, sempre em frente!

A vida é algo que nem mesmo os grandes filósofos, os quais gastaram suas próprias vidas tentando definir o que seria a vida, não conseguiram fazê-lo!
Porém, com o passar do tempo adiquirimos perspectiva, visão. A certeza única que a vida é algo que está em constante mutação. A vida, parafraseando Cazuza, a vida não pára, como a premissa tempo está intrínsicamente ligada a vida.
O tempo que segue, o tempo que não para, o tempo que não retrocede, o tempo que se perde. Agora citando Renato Russo: "Sempre em frente, não temos tempo a perder!".
Ficar parado não é opção, seguir é o único caminho que resta. A vida, na faceta tempo não perdoa que se atordoa. Seguimos sem parar, sem tempo para nos arrepender, sem hora para aguardar que nos seja entrgue o futuro de mãos beijadas.
Muitos tendem a ficar, a esperar, aguardar a bonanza, a calmaria, como se vivessemos em tempestades, nós vivemos em uma sociedade dinâmica, não podemos parar, temos que seguir, correr e não parar nunca. Parar não é uma opção. Esperar tão pouco.
Muitas vezes vemos aqueles que tendem a ficar, estagnar e tentamos erguê-los, puxa-los, chama-los, fazer com que eles nos acompanhem, até o dia em que não vemos nosso trabalho render frutos, tendemos assim a deixar essas pessoas para trás.
Como saber qual dos dois tipos nós somos? Fácil, muito fácil, olhe ao seu redor, veja onde seus amigos mais próximos estão, onde seu namorado, sua namorada está. Agora olhe onde você está. Você está igual, mais avançado? Quantos dos seus amigos seguiram, hoje cresceram, estão em bons empregos, e você? Onde está?
Não deixemos a vida passar por nós, se aguardarmos sempre o amanhã teremos que esperar pelo amanhã do outro mundo, após a morte, após essa vida. Amanhã não existe, faça hoje, lute hoje, para que amanhã possa existir.
Vamos construir um amanhã para todos nós. Vamos sair desse ostracismo, dessa mesmice e lutemos pelo que queremos e pelo que queremos construir.
Acompanhemos as pessoas que amamos, sigamos par e paço com elas.
Aqui é Elrond Bruno pedindo consciência a todos.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Ainda acerca da prolemática do servidor público!

Ainda estou indignado com a posição em que o eminente magistrado colocou os servidores. Uma idéia que vem sendo arduamente combatida e que ele faz um texto onde afirma que os servidores são preguiçosos, não querem saber da sociedade, e largam cedo.
Me pergunto, como um magistrado diz algo assim? Esqueceu-se por acaso dos servidores que fazem audiência? Quando começa a audiência em geral não se pára até seu fim, isso quer dizer que não importa que já tenha dado a hora de se liberar, o servidor que está com o juiz, fica até a hora que o juiz ficar. Surpresa, ele chega no outro dia na mesma hora dos outros enquanto VIA DE REGRA, o Juiz chega mais tarde. Se o cartório abre das 9:00 às 19:00, o Juiz aparece de 13:00...
E o Juri, que esse em geral não pode parar avança pela madrugada e no outro dia, cedo, o servidor deve estar ali trabalhando, firme e forte.
O servidor sai cedo? Quem abre o cartório?
O Juiz leva processo pra casa? E quantos acessores de magistrados não levam processos para casa, fazem 90% das sentenças do cartório?
E os servidores que também correm risco de vida e não tem o privilégio de escolta policial?
Acho gozado um magistrado levantar pontos rídiculos para tentar rebaixar um servidor.
Não digo que o juiz deva receber o mesmo que um servidor, concordo com o risco de vida do magistrado, concordo com o salário, ele deve receber bem, ele julga casos de altos valores, deve receber algo que o permita viver bem e não ser sucetível a corrupção.
Concordo com o status do magistrado, mas discordo com essa inferiorização dos servidores, afinal deixemos só os magistrados, prefeitos, governadores e vereadores, deputados e senadores, só eles, sem servidores, só os secretários e ministros. Vamos ver o estado andar. Vamos ver se isso é possível.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: Falar é fácil, mais ainda falar mal!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Reflexão acerca de magistrados!

"Hipócritas. Mil vezes hipócritas.

Milton Biagioni Furquim - Juiz de Direito

Hipócritas, mil vezes hipócritas. Precisa que uma juíza seja covarde e barbaramente assassinada para que a sociedade, governo, juristas, imprensa, políticos, Desembargadores, Ministros, Corregedora do CNJ, Presidente do STF, padeiros, açougueiros, etc. fiquem consternados (será?) e lamentem o episódio.

Ora, pois! Até agora só ‘metiam o pau’ nos juízes, críticas de toda ordem carregadas dos piores adjetivos referindo-se aos salários de ‘marajás’, quando se sabe que os promotores ganham mais que os juízes, sem falar nos que insistem para que os juízes sejam equiparados e tratados como meros servidores públicos.

Se não bastassem as críticas acerbas e injustas, ainda temos o CNJ aterrorizando juízes e fazendo cobranças de toda ordem de modo a nos deixar sem tempo para judicar, para podermos sentenciar com qualidade. De quebra ainda temos que reverenciar Presidentes dos Tribunais de Justiças que nada fazem pela classe e só estão preocupados em melhorar seus currículos fazendo o papel de idiotas e bobos da corte se humilhando e curvando perante os outros poderes.

Que moral o presidente do STF e a Corregedora do CNJ tem prá falar em nome dos Juízes? Será que um dia na vida estiveram juízes como nós mortais? Oras bolas, se estão Ministros se devem a três fatores: boa relação com o governo, falar bonito e escrever bem. Deveriam, ao menos um só dia, ter estado juiz mortal como nós e ter dado a ‘cara’ prá bater como nós damos a toda hora. Deveriam ter tido a oportunidade de, na pequena comuna, anular uma eleição, cassar o prefeito, prender polícia, olhar na ‘cara’ do jurisdicionado 24 horas por dia como fazemos. Deveriam, por justiça, sofrer ameaça de toda ordem como nós sofremos, a exemplo da colega assassinada. Na lista dos jurados para morrer tem Desembargador e Ministro? É evidente que não. Por certo é diferente do que ficar em seus suntuosos gabinetes e distante do cidadão carente e ávido pela rápida prestação jurisdicional, e do juiz que teve a coragem de enfrentar a bandidagem.

Ninguém mais do que eles - Desembargadores, Ministros, os Conselheiros fabricados do CNJ, a nos expor perante a sociedade como somos expostos de forma a atrair a ira do cidadão incauto, dos fabricadores de opinião contra a Magistratura. Hoje a sociedade perdeu de vez o respeito que outrora os juízes detinham. Somos vistos com reservas e desconfiança. Como uma classe de privilegiados em detrimento da pobreza do povo.

Os deuses dos Tribunais só sabem cobrar, mas é fácil cobrar quando um dia sequer vivenciaram o dia a dia dos juízes mortais. É fácil cobrar quando não se está na pele da juíza assassinada. Consternação, indignação, exigir uma rápida investigação, mandar coroa de flores aos familiares da juíza é o ‘prêmio’ que ela ganhou por enfrentar a bandidagem. Você viu um presidente do TJ e um Ministro ser ameaçado de morte? Como pode um Ministro se colocar na pele de um juiz mortal se nunca teve a oportunidade de enfrentar com a 'cara' e a coragem todo tipo de pressão e ameaça?

Concordo em gênero, número e grau com os que propalam e defendem, em especial a imprensa, o Senador Suplicy e tantos outros desavisados e maldosos, a tese de que nós juízes devemos ser tratados como meros servidores públicos, sem qualquer diferenciação. Quero uma audiência com o Senador para hipotecar-lhe o meu apoio para acabar com as férias dos juízes e dispensar a nós juízes o mesmo status e regime dos servidores públicos.

Concordo porque se assim formos reconhecidos e tratados, então devemos começar o nosso trabalho às 8 horas da manhã, com uma hora de almoço, e terminar o expediente às 17 horas, exatamente como fazem os gloriosos e abnegados servidores públicos. Assim, nesse ínterim faremos tão somente o que os servidores públicos fazem e nada mais. Durante o expediente devemos tão só realizar as audiências, no máximo duas, despachar e sentenciar processos e cuidar da parte administrativa e, pronto. Assim seremos verdadeiros servidores públicos sem qualquer diferenciação. Justiça feita. Nada de levar processos prá casa; nada de tirar férias para dar ‘cabo’ nos processos. Os servidores públicos não levam os serviços para a casa, e assim como todo servidor público poderemos nos dedicar às boas coisas da vida, como por exemplo, dar mais atenção aos familiares, cuidar melhor da saúde, dedicar ao lazer, jogar conversa fora com os amigos no final da tarde, nos finais de semanas e feriados.


E a prestação jurisdicional como ficará então? Oras bolas, como diria o bom e produtivo servidor público, que se dane o cidadão, a imprensa, o Senador. Que esperem e aguardem o momento oportuno de ser analisado o seu pleito. Se vai levar tempo para dar uma resposta ao pleito do cidadão – uma liminar, uma revogação da prisão preventiva, uma tutela antecipada e tantas outras medidas de caráter urgente, o problema não será nosso (juízes, agora servidores públicos), mas sim do próprio cidadão, da imprensa e do Senador que insiste em nos ver e tratar como um servidor qualquer.

Hipócritas, mil vezes hipócritas. Negam-nos um salário condigno com a atividade que exercemos, com a monstruosa carga de serviços e de responsabilidades; negam-nos direitos adquiridos que temos; negam-nos segurança; negam-nos a dignidade e o respeito e, então, como querer que o cidadão nos respeite? Aprovam leis sem saber o que estão aprovando dando salvo conduto a bandidagem e ainda querem que os juízes façam milagres? Roubam descaradamente o povo e não admitem uma simples investigação. ‘Uai, pobre de nóis sô’, como dizia minha recém falecida mãe.

Uma simples 'denúncia' inconsequente e lá estamos nós perante a CGJ e o CNJ nos contorcendo para safar-se e olha que não é fácil. Que constrangimento. Tamanha hipocrisia nunca vi. Eu aconselhei um sobrinho que queria ser padre para que deixasse dessa bobagem porque jamais ele iria chegar a ser papa e, às vésperas de ordenar padre abandonou e hoje faz medicina, mostrou ser um menino inteligente, então eu sempre aconselho meus amigos e estudantes de direito para esquecerem a idéia de querer prestar concurso prá magistratura, e tentem o Ministério Público, ou então a ser Desembargador pelo quinto, ou então Ministro do STJ, STF, ou o melhor de todos, aventurar-se pela política, caso contrário vá plantar abobrinha, criar galinhas.

Hoje não se vê um só juiz que esteja satisfeito com a instituição, com o tratamento que nos é dispensado. Pior, todos, mas sem exceção, estão desmotivados, frustrados, acabrunhados. É certo que ser juiz é um projeto de vida, mas vale a pena hoje bancar esse projeto de vida? Vale a pena você ter que ver os Presidentes dos TJs mendigar e se humilhar perante os dois outros poderes que vivem envoltos com a corrupção para que alguma migalha nos seja dada a fim de melhorar nossos vencimentos, ou então nos pagar o que temos por direito, ou melhorar nossas condições de trabalho e segurança?

Hipócritas. A colega assassinada se tornou mártir ao ser covardemente assassinada. Então pergunto: e nós que ainda estamos vivos nos tornamos o quê? Por certo o vilão dessa história toda por estarmos vivos. Quem sabe, aos olhos da repórter que ironicamente nos criticou, da imprensa, do deputado, do Senador, do açougueiro, do padeiro, do CNJ e dos Ministros, somos corruptos, marajás, vagabundos, servidores públicos privilegiados, enganadores e outros adjetivos desqualificados. Mil vezes hipócritas.

É muito incômodo e revoltante para os magistrados sérios e competentes que se dedicam á causa da Justiça ter que conviver com tamanho desrespeito e com críticas maldosas. Já foi dito que os juízes não têm armas ao contrário dos outros poderes. Não têm o poder econômico e não têm o costume de ir à mídia. Acrescento que não sabem lidar com a mídia porque não sabem ser demagogos e não conseguem enganar o povo. O Judiciário, entenda, os juízes da inferior instância, é o mais fraco dos poderes e por isso tem que ser resguardado e cuidado com carinho, porque ainda que hajam algumas mazelas, mas ainda é a última trincheira e esperança do padeiro, do açougueiro, do frentista, do repórter. Por certo não é a última esperança do Senador, do Deputado e outros, pois legislam em causa própria.

Precisa o cidadão conscientizar de que se não mais poder recorrer e confiar no juiz de primeira instância, não terá ninguém mais quem lhes atenda e aí, com certeza a sociedade não dormirá tranqüila, porque magistrado medroso não é magistrado é arremedo de juiz. E por certo a colega assassinada viveu em toda plenitude a grandeza de ser juíza, ao contrário dos nossos Ministros.
Espero, enquanto um mortal juiz, ter o direito de externar minha revolta com esse estado de coisas sem a ameaça de ser punido, não pela bandidagem, mas pela minha Instituição.

Hipócritas, mil vezes hipócritas."

Postei esse texto por dois motivos o primeiro, SIM acho que devemos valorizar mais os juízes e o judiciário que vem sendo sucateado.
Mas o principal é para mostrar também a ignorância desse magistrado ao referir-se aos servidores públicos. Já a alguns anos os servidores lutam para mostrar que essa lenda que os servidores vivem de pernas para o já passou. Então vem um juiz no auge de sua juizite para dizer que os servidores nada fazem, que são encostados e que nada fazem a não ser mandar a sociedade a m$&*@.
Revoltante ver um homem que deveria ser esclarecido não passar de mais um palhaço midiático que ele tanto reclama. O judiciário sofre porque é distante do povo...Só um louco afirmaria isso. O juiz não pode opinar sobre os processo que julga, mas deve ser próximo a sociedade onde julga para que assim ele possa julgar de acordo com aquela sociedade.
No plantão o servidor também está lá, muitas vezes sozinho enquanto o juiz está em casa com sua famíla.
Acima temos mais um Hipócrita a escrever, tão vil e baixo quanto os que ele aponta.
Ataca servidores como se nada fossem, quando ele se sozinho estivesse em seu cartório NADA faria.
Hipócrita, mil vezes Hipócrita.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: "Antes de olharmos os outros devemos observar nosso próprio defeito.






quinta-feira, 18 de agosto de 2011

O ano mal começou já tá acabando!

Impressionante, mal começamos o ano e o ano já está nos seus ultimos meses.
Pensamos que vai dar tempo de fazermos isso aquilo, aquilo outro, quando vemos, já passou-se o ano e não fizemos 1/5 do que queríamos porque deixamos para amanhã.
Essa é uma recorrente: "Tem tempo, amanhã eu termino!"
Amanhã vira hoje mais ainda temos tempo, e assim vamos deixando para amanhã o que devia ter sido terminado ontem.
Aonde é que chegaremos assim? Pretendemos algo na nossa vida?
Seja a monografia, ou o TCC de Jornalismo, as Horas de Atividades que deveriam ter sido pagas, as viagens que podiamos ter abrido mão para nossa formação ser mais rápida, as festas que preferimos a ir para aquela aula.
As escolhas que fazemos, a inércia que vivemos.
Vamos sair deste topor, é hora de deixar os pseudo para trás e nos tornamos o que queremos ser, chega de amanhã, a hora é HOJE, o momento é AGORA, a hora de ser Biologo, Engenheiro, Jornalista ou Jurista, Arquiteto, a hora de nos definirmos é agora. Sem pressa, mas sem perder tempo, sem neuroses, mas sem ser tão cuca fresca.
O relógio do universo não para, o seu pode até para por falta de pilha, mas o tempo continua fluindo, até onde se sabe num flluxo continuo.
Esse post é para pensarmos, o que somos hoje. Tenho perguntas a vocês nobres leitores, perguntas para provocá-los. Quem são vocês hoje? Vocês são aquilo que imaginavam 15 anos atrás? Alcançaram seus sonhos? Realizaram seus feitos? Você se orgulha de onde está e de como chegou aí?
Se você não conseguiu responder ou a resposta para alguma dessas perguntas foi não, o que acha de repensar um pouco sua vida traçar as metas a curto, médio e longo prazo e começar a se mexer para batê-las?
Não espera 31 de dezembro para fazer resoluções que nunca porá em prática, crie resoluções ao terminar de ler esse post, resolução plausíveis e passíveis de serem cumpridas, e o mais importante, cumpra-as agora mesmo, não deixe para daqui a sabe-se Deus quantos anos.

Aqui é Elrond Bruno citando Vinny : "Lembro de te ouvir dizer: 'a vida é muito curta para se arrepender..."

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Por que uma copa do mundo no Brasil?!

Muito bem, voltamos aos posts polêmicos, aos posts que provavelmente gerarão comentários calorosos de ambos os lados.

Muito bem meus amigos, já deia ter abordado o tema a algum tempo, mas ele foi ficando no arquivo lá no fundo da mente, próximo ao esquecimento, mas hoje, ao ver a capa do Diário de Pernambuco, de hoje 11 de agosto de 2011 e ver a foto que abaixo se segue me recordei de entrar nessa polêmica.

Esse é o projeto de como será a nova avenida Agamenon Magalhães, uma das principais avenidas da cidade. Um projeto que será realizado por causa da copa do mundo, que será realizado para que possa se facilitar o trânsito dos veículos. Algo que irá auxiliar a tornar o trânsito de Recife mais fluido.

Os mais ignorantes dizem, vai gastar milhões em um estádio precisando tanto de hospitais e escolas. Não sou idiota e acredito que educação sem dúvida é o caminho para a salvação do brasileiro, mas o investimento não fica apenas no estádio de futebol. Ele é muito maior, e o mais importante ele perdura após o fim da copa do mundo.

Do que é que esse anormal está falando, vocês devem estar pensando. O que se faz na Copa do Mundo são investimentos, não enterrar dinheiro, qual a diferença, investimento dá retorno. Como? Ora, caro leitor, não pode haver copa sem segurança (Equipa-se, prepara-se, aumenta-se efetivo, a Polícia deve estar preparada para agir junto aos turistas estrangeiros), agora me responda ao fim da copa essa polícia é dispensada ou volta para suas atribuições normais, só que mais equipada e preparada para servir o cidadão? Não pode haver copa com um sistema de transporte público precário (Equipa-se, criam-se corredores para os ônibus, criam-se novas linhas de metro, melhoram-se as paradas, os ônibus) Ao término da copa toda a nova infroestrutura criada vai ser jogada no lixo? Não, fica para ser utilizada no dia a dia pela sociedade e pelo cidadão. Em caso de urgência médica o que se fará? Os hospitais são melhorados para atender os pacientes que possam sofrer qualquer problemas durante a copa, e essas melhorias são rifadas após o fim da copa? Não, permanecem.
A copa pela copa não é nada demais, mas os investimentos feitos durante a mesma é que perduram e beneficiam as cidades por onde ela passa. Fora isso gera renda, receita com turismo. E o mais importante com as melhorias e boas impressões que o turista fica ele fica com vontade de voltar e faz propaganda positiva para seus colegas, e a boa impressão que fica para o mundo trás mais turistas, mais renda e mais avanços para a cidade. Atraí a atenção do mundo, inclusive de investidores para o estado, vendo a cidade em expansão, pensa em investir para ter o retorno.

Para mim, a vinda da copa do mundo foi uma benção, ainda mais num país como o nosso onde a concentração de riqueza ficava só entre Rio, São Paulo e pelo Sul, não havia chance ou abertura para qualquer outra região que não fosse Sul e Suldeste. Agora outras regiões estão tendo investimento maciço e crescendo a olhos vistos.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: Espero que passemos pelo menos para a semi-final nessa Copa.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Cuide da Saúde!

Bom esse post é mais por eu estar P. da vida pq hoje terá o baile de uma amiga minha e eu AINDA estou curando um resfriado, ainda expectorando o muco nos meus pulmões.
Por ainda estar debilitado não poderei comparecer, já houveram dois dias na semana que não tive condições de dar o expediente completo no trabalho! Tudo por conta de uma tosse que não me deixa dormir, febre.
Mas o que eu quero dizer aqui é simples, não descuidem da sua saúde para não faltar nos momentos importantes das pessoas que lhe são importantes! Tomem Vitamina C, alimentação é importante, as horas de sono. Tudo tem que ser respeitado. Nosso corpo é uma máquina e se a forçamos demais a máquina quebra e não é algo bonito de se ver ou sentir.
Lembremos dos nossos limites. Lembremos que melhorar é diferente de estou bom. Dormir ajuda a ficar melhor. Exercício MODERADO. Nada de se matar!
Esse post parece post de pai e mãe, mas é mais um desabafo de tudo que eu sei que deve ser feito e fazemos tão poucas vezes. Lembrar também que parar é importante, não adianta viver loucamente, respirem, tirem um momento para respirar e relaxar.
Respeitem seus limites e seus momentos a sós!
E Parabéns para Lhielha aquela que será a Detista número 1 dentro de alguns anos!

Aqui é ElrondBruno dizendo: "Nada paga nossa saúde!"

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O DVD mais caro que comprei, a preço indivudual!

Comprei o DVD desse show, mas para mim foi uma das melhores compras que já fiz se eu encontrar em Blue ray eu compro. O show chama-se Concert for George, e é uma homenagem postuma ao Beatle Falecido, iniciativa de Eric Clapton e do filho de George, Eric ainda disse ser essa a forma dele enfrentar a dor da perda do amigo. Para quem gosta de boa música bem tocada, o vídeo abaixo mostra porque o Beatle Sir Paul é um dos melhores artistas vivos, ele e outrta lenda Eric Clapton. Porém a música que me cativou foi While My Guitars Gently Weeps. Porém o show como um todo é algo que deve estar no videoteca de quem diz curitr música ou quem gosta de Rock, pois temos de tudo dentro do show, inclusive Taxman! O vídeo abaixo é fantástico por mostra a versatilidade Paul sai de Vocal a backing com uma qualidade absurda, notem o tom que ele chegou





Aqui é Elrond Bruno Dizendo: "Ah como eu queria ter estado nesta platéia!"

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Fé errada!

Post polêmico? Pode apostar!
Já começa polêmica pelo título. Existe fé errada? Resposta: SIM!
Então será que defenderei aqui uma religião? Qual será a fé correta? católica? Evangélica? Episcopal? Espírita? Umbandista? Budista? Na ciência?

Não meus amigos não vim defender nenhuma dessas bandeiras, vim defender a fé mais correta, não importa a tua igreja, o que importa é a forma como você atua, como tua fé trabalha.

Não importa no que acredite, desde que siga os ensinamentos daquela doutrina que decidiste seguir. Se você é cristão, segue teus ensinamentos, se é budista, segue teus ensinamentos e assim sucessivamente. Sabe qual o ponto em comum nessas religiões?

Não? Nossa, então você nunca procurou observar o mínimo. Elas dizem que você tem que se concentrar nos SEUS problemas, nos SEUS defeitos para que eles possam ser sanados. Elas dizem que você deve trabalhar, você deve fazer seus caminhos, trilhá-los de forma que não se envergonhe dos teus atos.

Devemos ser honestos, justos e integros. Não encontramos isso no mercado de trabalho utimamente. Vemos apenas pessoas que invejam seus colegas, não que aspiram crescer, mas que invejam, que desejam derrubar a pessoa de onde ela está para que possa ter uma chance de pegar aquela posição.
Pessoas que se escondem em mantos de santos, se revestem de falsos moralismos para atacar na surdina. Usam a fé com um escudo e espada para galgar seus objetivos egoístas.

Essa é a fé errada, a fé de quem lê a liturgia, vai as missas, fala como se sacro fosse, mas não passa de um sepulcro caiado. Por trás desse revestimento sacro são pessoas mesquinhas que fazem tudo para conseguir aquilo que desejam. No fim acham que o ato de ir a missa e ler, ouvir as palavras irá salvá-las de todos os atos vis realizados.

Essa é a fé errada, a fé que não pratica o que é ensinado. A fé que acredita que posso ir de encontro a tudo que meu líder espiritual diz e depois leio algo e ouço alguma coisa e me salvo, isso não é fé é desculpa para ser demônio.

Essa fé que oculta suas verdadeiras intenções! Essa fé que derruba os justos e justifica atos descabidos, essa fé é a fé errada.

Aqui é Elrond Bruno dizendo que sou espírita e tenho a convicção de que muitos seres humanos passaram ainda séculos para conseguir alcançar qualquer grau de iluminação.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Onde estão as crianças?

Fui uns dias atrás, 05 de junho, a um espetáculo o "Putz Grill" de Oscar Filho, quem abriuo espetáculo foi Murilo Gun, um humorísta daqui, muito bom por sinal.

Lá o Murilo fez uma piada interessante mas que vale uma grande relfexão...Ele comentou que estava tudo trocado, aniversário de adulto tocando Balão Mágico e aniversário de criança tocando Funk.

A piada é boa? ótima, muito melhor falada do que escrita, mas é ótima, parabéns ao Murilo, mas nos leva a uma pergunta onde é que estão nossas crianças?

Enquanto ouvíamos músicas que nos esnianvam números, músicas que nos falavam de ser feliz, ser alegre, ser bom, hoje as crianças ouvem músicas com conotações sexuais. Hoje as crianças são expostas a um súbito crescimento intelectual. São levadas a ouvir coisas que não entendem, não sabem o que significa, mas repetem, dançam, fazem tudo igual...e começam a fazer coisas que na nossa época nem sonharíamos em tentar fazer.

Hoje as crianças querem ir ao shopping, fazer compras, comer na Burguer King, Mac Donalds, jogam video game, se trancar em casa. Quando saem é para o cube, as vezes obrigados pelos pais, vão contra a vontade...tocar guitarra se tem guitar hero? ¬¬

As crianças não vivem mais como crianças. A infância está sendo usurpada das crianças. Roubada e estão forçando a um crescimento irreal, sem amadurecimento, sem a o devido cresimento. Assim criamos gerações de pessoas sem estrutura e sem o devido amadurecimento psicológico.

Está nascendo uma geração de superindividados infelizes pois estão vinculando a felicidade a compra, quando a felicidade é muito maior e mais barata, é um sorriso, uma partida de amarelinha ou academia, que é grátis, não se gasta nada para fazer. Passa o anel, esconde-esconde, pegapegou, pegacongelou, pegacongelou americano, batatinha frita 1,2,3; estátua.

Onde estão as brincadeiras antigas? Agora é PSP, Nintendo DS, Tablet, Notebook, compras e mais compras.

Tá na hora de dá uma parada, pensarmos o caminho tomado pelos novos pais que negligenciam seus filhos por trabalhar muito e por isso tentam compensar com presentes. Chega de pensar em dinheiro, dinheiro e presentes, chegou a hora e saber que se você decidiu ter um filho só lhe resta dar atenção a ele. Aquela criança precisa do seu carinho, da sua atenção. Eduquem, o sangue nos diz muitas coisas, mas não é preponderante, a educação ajuda e muito. Está na hora de trazermos velhos valores novamente a tona. Está na hora de ensinar as crianças a brincar de dono da rua, queimado e afins.

Aqui é Elrond Bruno dizendo, minha infância foi feliz e por isso tenho ótimas lembranças e risadas saudosas daquela época.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Domando a Raiva!

Hoje o post é totalmente pessoal, não é contra ninguém, sem contra um ente público, nem contra nada disso.
A raiva que estou é de mim.
Nesse domingo no dia dos namorados eu sai para jantar com minha namorada e meu celular caiu no chão fora do carro.
Não percebi...só percebi bem mais tarde já saindo do restaurante...quando fui procurar, cadê o celular?
Cadê o flanelinha?
Pois é...por BURRICE perdi meu chip e o telefone de meio mundo de gente.
Dá raiva, muita raiva de mim. O flanelinha também é um desonesto, pois poderia ter ido no restaurante devolver, mas a burrice foi minha. A raiva é de mim, por ter sido burro.
O difícil é me segurar, segurar a raiva dentro de mim, soltar no local certo. Não explodir com quem não merece. O que fazer? Como contralar algo que beira o irracional? Desabafando talvez...será? Não sei, mas resolvi tentar desabafar minha indignação comigo mesmo!
Qual a relevância desse post para o mundo? Nenhuma, não faz ninguém refletir, não faz com que o mundo seja um lugar mais feliz. Mas me alivia um pouco desabafar mais uma vez minha frustração pelo erro.
Errar pode ser humano, mas isso não torna as coisas mais fáceis.

Aqui é Elrond Bruno buscando a harmonização do meu Yn e Yang.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

São João em Recife!

São João chegando...
No sul e suldeste ele passa praticamente em branco, mas aqui no Nordeste é uma data importante de comemoração. É uma festa importante e bastante típica.
O problema é que vem se descaracterizando com o passar dos anos, vide o evento que chamam aqui de São João da Capitá, que seria o São João aqui na Capital Pernambucana, já que o mais tradicional é no interior do Estado.
Porém o que eu tenho visto é uma desvirtuação da raiz, que é o forró durante as festas juninas. Temos visto uma invasão de rítimos que visão unicamente ganhar dinheiro com qualquer coisa ao invés de fazer algo que ressalte a cultura pernambucana. Faz-se um micareta louca com shows de ritimos, não fazendo qualquer juízo de valor ou dizendo que não merecem sucesso, porém estão na festa errada. São João = a forró e o que vemos é:

Dia 10, sexta-feira:

- Banda Calypso, Garota Safada, Arreio de Ouro, Forró do Muído e a dupla Victor e Léo;



Dia 11, sábado:

- Chiclete com Banana, num show eclético com clima junino, Banda Magníficos, Cavaleiros do Forró, Aviões do Forró e o cantor Geraldinho Lins.




Temos aí Sertanejo, ou melhor Goianejo, porque essa categoria músical foi errôneamente noemada sertanejo, porque muito mais sertanejo que essas duplas é o Aboio. sertanejo....sertão....

Temos Calypso, que é bom para quem curte mas, não é daqui de Pernambuco, muito menos para São João.

Temos também axé????????? 

De todos os que realmente me fazem ter um resquício do que era o forró é Magníficos e Geraldinho Lins, o resto tocam lambada com sanfona e dizem que tocam forró estilisado.
 
Sadudades do tempo de seu Lula, me lembrando "só por lembrar, de alguém que agente um dia perdeu, saudade intonce assim bom, pro cabra se convencer que é feliz sem saber, pois não sofreu. Porém se a gente viver a sonhar, em dançar o forró que a gente um dia aprendeeeu, saudade intonce assim é ruim eu tiro isso por mim que vivo doido a sofreeer." (Paródia de  QUE NEM JILÓ)
 
Aqui é Elrond Bruno dizendo: Saudades do dois pra lá e dois pra cá onde conversavámos no ouvido da moça e ajuntava bem juntim.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Drogas, mas que Droga!

O post de hoje é um post reflexivo.
Vamos refletir sobre um mal que atinge inúmeras famílias brasileiras: DROGAS!
Um tabu, um assunto delicado que muitos preferem esquivar-se a encarar e debater de maneira consciente e ordenada.
Proibir ou liberar? Reprimir ou legalizar? Essa polêmica é eterna e temos denfensores de ambas correntes.
A corrente que defende a repressão alega que a droga é má e causa sequelas (de acordo com o novo acordo ortográfico do Português o trema foi abolido...eu acho isso horrível, mas fazer o que) graves que comprometem os jovens e por isso deve ser banida e não comercializadas.
Os que defendem tem diversos argumentos, desde o se tirar dinheiro do tráfico, até o do controle que o Estado teria.
A que corrente eu me filio? A corrente racional. Minha análise é simples, em inglês se resume a duas palavras: "Bull Shit!".
As dorgas fazem mal e devem ser impedidas de ser vendidas por isso...E O CIGARRO? ATÉ NAFTALINA TEM DENTRO DAQUELE LIXO. E O ÁLCOOL, QUANTAS MORTES OCORREM POR CAUSA DELE?
Se sou a favor da descriminalização, sou sim. Sou por um simples motivo não é o governo dizer que não pode que fará a população se afastar das drogas. Das consideradas lícitas só faço uso esporádico do álcool, das ilícitas nunca fiz uso (Não diretamente, porque já fui a shows e inalei aquela fumaça).
Sou um Super-Herói por isso? NÃO!
Sou um sujeito como qualquer outro, no auge dos meus 25 anos, nunca senti vontade nem necessidade.
"Ahhh! Mas você era popular, não sabe o que é ser pisado e diminuído."
Não meus amigos, sou gordinho, fui gordo minha vida toda, e NERD. Sim, fui perseguido, fui zombado, humilhado. Tudo isso já me aconteceu.
Então porque diabos EU não quis usar drogas? Eu me recuso a fugir. Minha família sempre conversou comigo, sempre me mostrou o que a droga poderia fazer e o que ela significava para quem a usava, a droga, seja o cigarro de tabaco ou o de maconha, a cocaína, a heroína o álcool usado de forma desmedida, todas essas hipoteses são armas de fulga da realidade. Eu não fujo. Eu não sou fraco.
Essa é minha visão. Notaram que no meu texto tem algo que não encontramos normalmente hoje? É...Família.
Não é a religião, não é a escola, não é a amizade, quem primeiro vai te dar a noção do que é bom e ruim, certo e errado é a família.
É a educação, não uso drogas porque sei o que ela faz. Li, aprendi.
Não precisou nenhuma pisa de policial, nunca nem provei, e não foi por medo da polícia me bater, para superar isso era só fazer alguma arte de brigar...pronto seria eu quem ia bater neles. Eu não usei porque minha educação me ensinava que isso não era bom.
Então não adianta reprimir simplesmente, ou se educam os jovens para entenderem a razão de se manter afastados ou não irá se obter êxito nunca.
Ou nós voltamos a ter sentimento de família ou cada vez mais teremos gerações de alienados drogados. A família é o alicerce para toda a construção do indivíduo.
Por mim, legaliza. Quer consumir, ótimo, mas para isso terá que ter uma carteira, dada de forma gratuita, porém, para adquirir essa carteira o jovem deve passar um curso de no mínimo 36 horas sobre os efeitos das drogas em seu corpo.
Limite mínimo para a carteira 16 anos.
Autorização dos pais, sim para os menores de 18. E para os menores de 18 os pais devem acompanhar o filho e assistir as aulas.
Esse curso poderia contar até de forma curricular.
Somente mostrando, ensinando, explicando é que vamos conseguir reduzir ou extinguir o uso de drogas no Brasil, a força bruta nunca funcionou antes, porque agora ela iria superar a diplomacia?

Aqui é Elrond Bruno dizendo: "Não preciso de droga para brincar perturbar e bagunçar de forma ordenada, e mais, sem a droga ainda lembro de tudo para rir depois!"

sexta-feira, 27 de maio de 2011

União Estável Homoafetiva.

Pois é, o tema é antigo, a notícia é velha mas o meu comentário é meu e pronto.
Dia 05 de maio de 2011 o supremo reconheceu a união homoafetiva.
Na minha opinião, vitória do Estado, continuamos bem no caminho da separação do Estado e da Religião. O Estado na própria Constituição se diz laico, sem religião.
Me explica então a razão da religião querer tanto se meter onde não deve?
Atirem pedras em mim, não me importo, mas antes de atirar, se você for Cristão lembre que Cristo disse no templo, quando expulsava os comerciantes de dentro da casa de Deus: Cristo foi perguntado se os judeus não deveriam pagar os impostos a Caesar, deveriam se rebelar contra o Estado. Cristo então questiona: "De quem é o rosto nesta moeda?" - "Caesar!" - respondem. "Então dê a Caesar o que é de Caesar e a Deus o que é de Deus."
Cristo separou bem o Estado é o Estado, Religião é Religião. Tudo bem que vemos os mesmo comerciantes hoje montando Igrejas, dando boletos bancários para seus fiéis. Mas Cristo foi claro, o Estado não deve se meter nos assuntos Religiosos e virse-versa.
Quando foi que Cristo reafirmou isso: "Meu reino não é aqui, meu reino é o reino dos céus, eu sou o caminho e a salvação, aquele que crê em mim será salvo."
Se o reino dele não é aqui, se ele não veio para modificar as leis humanas, POR QUE seus pastores, aqueles que seguem suas palavras estão se incomodando tanto em querer mudá-las?
Bom, mas desviei muito do meu foco. Voltando a União Homoafetiva.
O Homossexual tem direitos, uma vez que ele é um cidadão. Seu parceiro idem. A opção de construir uma vida juntos foi de ambos. Se você não comunga do gosto deles problema seu, não nos cabe julgar, mas cabe proteger o cidadão. Antigamente após a morte de um dos parceiros as famílias costumavam tomar grande parte do patrimônio que os dois construiram em conjunto, e o homossexual que passou a vida trabalhando para ter uma vida estável se via quase sem nada.
Ao judiciário não cabe criar leis, nós interpretamos as leis existentes, interpretamos de acordo com os valores da sociedade. Não podemos fechar os olhos para os fatos que estão acontecendo a nossa volta e agir como se estivessmos nos anos 60, 70.
O mundo mudou, os casos concretos estão aí, pessoas, cidadãos de bens estavam tendo seus direitos lezados.
Quanto ao casamento? Se for na forma da lei, sou a favor sim. Quanto mais afastado de preceitos religiosos, mais justo o estado, pois julgará homens pelas leis dos homens. Quem deve julgar de acordo com as leis de Deus é o próprio Deus. Nem seus pastores, bispos, papas, padres, freis....ninguém pode julgar, DEUS não nos deu esse direito, pelo contrário ele nos TIROU, Cristo disse,"aquele que nunca pecou que atire a primeira pedra". As leis dos antigos escritos mandava que os antigos Judeus julgassem adulteras e apedrejassem as condenadas, Cristo tirou esse poder. Ele julgará os bons e os maus no juízo final, se é assim. CALEM A BOCA E DEIXEM A VIDA DOS OUTROS EM PAZ. Cada um siga sua vida.
Fico feliz que o judiciário tem crescido no pensamento correto separando o estado da religião.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: Quero ver um estado justo e pessoas sãs, a vida dos outros é dos outros e não sua, logo cuide da sua!

Agradecendo.

Bom, este post vem diferente dos outros, por não ter tom nem crítico, muito menos relfexivo.
É um post simples, meramente para que eu possa me comunicar com vocês leitores.
Esse post é unicamente para agradecer, agradecer a sua visita, agradecer seus comentários. Aos que se identificam, aos que não se identificam.
A você caro leitor / leitora, anonimos, obrigado!
Obrigado pelo incentivo, pelo carinho e apoio nas palavras e pelo velho tapinha nas costas que nos diz, siga em frente.
Esse é um blog despretencioso onde ponho meus pontos de vistas e por vezes chamo para que pensemos juntos. Fico feliz que essa proposta venha sendo atingida. Fico feliz que pessoas leiam e reflitam alguns momentos. Fico feliz que tenham gostado.

Agradeço as visistas, os comentários, os que seguem o blog, os que cairam de gaiatos, mas leram e gostaram.

Muito obrigado pelo incentivo, é um prazer escrever para quem quer ler.

Tentarei sempre manter um nível elevado dentro dos posts.

Bom dia, semana, mês, resto de ano a todos.