quinta-feira, 19 de maio de 2011

Em busca da estabilidade!

Acho que vou produzir um novo filme, depois de "Em Busca da Felicidade", vou fazer o "Em Busca da Estabilidade".
O que eu quero dizer com isso?!
Parafraseando o Presidente anterior: "Nunca antes na história desse país..." houveram tantas contratações no setor público.
Está novamento havendo uma hipertrofia do setor público no ramo dos empregos. Hoje, em geral, se querem saber se você é bem sucessido perguntam em qual concurso você foi aprovado, ou em que orgão público você trabalha e se é concursado.
Antigamente quando se ingressava na carreira pública era em busca de estabilidade sim, mas também de sua vocação. O salário nem sempre foi tão chamativo, melhorou com o tempo. Entrava-se por querer fazer algo. Hoje, o que ocorre é um enorme grupo entrando em funções que não sabem o que eles fazem, para fazer serviços que eles desconhecem, pensando unicamente no salário. Entram muitas vezes com a idéia preconceituosa e arcaica de que ninguém faz nada no serviço público.
Quando começam a trabalhar sentem o peso da responsabilidade de um cargo público e acham ruim.
Porém o salário e a estabilidade continuam atrativos, o fato da segurança que o emprego privado não te dá. A certeza que passado o estágio probatório para te por para fora só se você der causa.
O que ocorre com isso? Concursos com médias cada vez mais altas, provas que medem cada vez menos conhecimentos, funcionários cada vez mais verdes e imaturos para os cargos, visto que nunca estudaram o que fazer no cargo, nem estudaram realemente aquilo que precisarão lá, os cadidatos de hoje estudam apenas como fazer provas e ser aprovado. Criamos um novo vestibular para os formados.
Cursisnhos cada vez mais eclodem pelas cidades com slogans que o levam a pensar que fazer a matrícula ali é o mesmo que assinar seu contrato com o poder público, que o cursinho vai te fazer passar. Algumas vezes faz, porque  te ajuda a ver como são as questões.
Sim não adianta você ser um mega Phd, isso não te ajuda a passar, você tem que fazer questões, porque não havaliam se você sabe ou é inteligente, havaliam se você sabe ver pegadinhas.
Qual será o próximo passo, chamar o Sérgio Malandro para redigir as provas?
O que iremos ler ao final da prova, um "RÁ! PEGADINHA DO MALANDRO!" ao invés de um "Boa Sorte!"?
A que ponto chegamos, os concursos se rebaixaram ao nível de não havaliar o bom profissional, de não se importar mais quem é melhor para o cargo. Eles hoje havaliam quem sabe fazer prova.
Será que a pessoa que marcou que a resposta certa era a "C" na prova cuja alternativa era "Mandado de Intimação" saberia digitar um Mandado de Intimação? Será que ela sabe que ela vai fazer esse concurso na justiça, ser aprovada e vai JUNTAR mandados aos autos, que ela vai procurar processo, que ela não vai ficar sentada na mesa marcando letras?
O serviço público ainda precisa de muito mais funcionários, concordo, mas precisa de novos tipos de prova. Digo mais, precisamos também incentivar a ida para o setor privado ou então começaremos a ter quebras por todo o setor pela escassez da mão de obra.

Deixando de lado as frases de filmes, aqui é Elrond Bruno dizendo: Se querem os melhores para os cargos, façam provas que analisem quem tem conhecimento sobre o assunto, mas se só querem saber quem é o melhor concurseiro, parabéns estão no caminho certo para uma grande gama de servidores mais perdidos que baratas tontas.

Nenhum comentário: