terça-feira, 30 de agosto de 2011

Ainda acerca da prolemática do servidor público!

Ainda estou indignado com a posição em que o eminente magistrado colocou os servidores. Uma idéia que vem sendo arduamente combatida e que ele faz um texto onde afirma que os servidores são preguiçosos, não querem saber da sociedade, e largam cedo.
Me pergunto, como um magistrado diz algo assim? Esqueceu-se por acaso dos servidores que fazem audiência? Quando começa a audiência em geral não se pára até seu fim, isso quer dizer que não importa que já tenha dado a hora de se liberar, o servidor que está com o juiz, fica até a hora que o juiz ficar. Surpresa, ele chega no outro dia na mesma hora dos outros enquanto VIA DE REGRA, o Juiz chega mais tarde. Se o cartório abre das 9:00 às 19:00, o Juiz aparece de 13:00...
E o Juri, que esse em geral não pode parar avança pela madrugada e no outro dia, cedo, o servidor deve estar ali trabalhando, firme e forte.
O servidor sai cedo? Quem abre o cartório?
O Juiz leva processo pra casa? E quantos acessores de magistrados não levam processos para casa, fazem 90% das sentenças do cartório?
E os servidores que também correm risco de vida e não tem o privilégio de escolta policial?
Acho gozado um magistrado levantar pontos rídiculos para tentar rebaixar um servidor.
Não digo que o juiz deva receber o mesmo que um servidor, concordo com o risco de vida do magistrado, concordo com o salário, ele deve receber bem, ele julga casos de altos valores, deve receber algo que o permita viver bem e não ser sucetível a corrupção.
Concordo com o status do magistrado, mas discordo com essa inferiorização dos servidores, afinal deixemos só os magistrados, prefeitos, governadores e vereadores, deputados e senadores, só eles, sem servidores, só os secretários e ministros. Vamos ver o estado andar. Vamos ver se isso é possível.

Aqui é Elrond Bruno dizendo: Falar é fácil, mais ainda falar mal!

2 comentários:

Anônimo disse...

Elrond Bruno, quero fazer uma ressalva. quando me referi a servidor público eu não quis, em hipótese alguma, referir aos serventuários da justiça, longe de mim, até porque, e não poderia ser diferente, sei muito bem do empenho e dedicação destes 'servidores públicos'
que seria de mim se não fosse meus excelentes e competentes serventuários. também, e aqui por justiça, não referi aos professores - que levam serviços prá casa, até porque fui professor de 1° e 2° por 20 anos em escola pública, mas não retiro uma só palara quanto aos demais eervidores públicos. se não me expressei bem, peço mil desculpas. abs milton

Elrond_Bruno disse...

Não irei tirar o post, pois o mesmo representa minha opinião, mas após a explicação do magistrado e o reconhecimento devido aos merecedores de louvores, tenho a dizer que sim, concordo com o eminente magistrado.