terça-feira, 21 de maio de 2013

17 de maio de 2013 - O Dia que Recife Parou!

Olá caros leitores,

Venho hoje reportar alguns fatos e como não sou jornalista opinar também. Assim, dentro desta ótica e deste crivo, iremos prosseguir para o Dia em que Recife parou!
Essa história começa na madrugada do dia 16 de maio de 2013 para o dia 17 maio de 2013, quando a cidade do Recife começou a sofrer com uma forte chuva, um verdadeiro temporal.
Acordo na manhã da sexta para levar minha mãe para seu trabalho que é na cidade vizinha, mas em longe da minha casa, lá em Jaboatão dos Guararapes... Passamos por ruas alagadas, por diversos engarrafamentos, mas chegamos. a trancos e barrancos, chegamos. Começa aí minha odisséia para retornar e tentar chegar ao MEU trabalho.



 Eu dirijo um carro da Chevrolet, modelo Astra. Em que isso importa? É um carro BAIXO, nada muito alto, mas posso garantir que é disposto, pois onde eu andei, por onde eu passei, vi carros mais altos e maiores ficarem.
Mas voltemos para a história principal, deixei minha mãe às 7:00 da manhã em Jaboatão... 11:40 da manhã foi a hora que desisti de tentar ir para o trabalho, pois o carro não andava devido ao trânsito, e retornei para buscar minha mãe, e levá-la para casa.


 Meus amigos essas cenas que vocês vêem não são nada além de Ruas, Tunéis, estação de metrô. Foi assim que Recife se encontrou na sexta feira. nesse verdadeiro CAOS. Arrastões foram relatados, ônibus sem ter coragem de passarem por diversos trechos, e em minha mente só uma coisa se repetia: "E SE hoje fosse copa das confederações?"!!!

 Senhores, não quero aqui culpar ninguém, nem condenar, tampouco achar culpados ou inocentes, mas precisa-se ter planejamentos emergenciais para essas situações, pois se ocorrer algo assim de novo, ficou meio claro que estaremos mais uma vez condenados ao CAOS e a barbárie. Alega-se que haviam agentes tanto da CTTU quanto da Polícia na rua, posso garantir que por onde andei eles não estavam lá, tudo estava entregue ao Caos e descaso. Passei por um dos bairros considerados mais chiques e granfinos da cidade: Boa Viagem, nem meio policial na rua. O cenário é desolador, lojas e galerias fechadas, o vazio, nada além de água e carros, isso no sentido de sair de Boa Viagem, pois no sentido cidade Boa Viagem nem carro tinha, só tinham alguns pedestres andando pela pista. Me senti num cenário de olocasutro zumbi.

Como resolver problemas de tão grande magnitude em tão pouco tempo? Essa é uma questão que não tem qualquer resposta fácil, mas o que não podemos admitir é que o cartão postal de Recife para as Copas, seja das confederações ou seja do Mundo, venha a ser um rio lamoso no lugar de nossas ruas.
Que se vá ao exterior aprender o que os países sabem sobre drenagem e organização. Falta projetos de trânsito, falta utilizar métodos que já dão certo em outros estados, Recife precisa aprender a fazer tudo funcionar. No Rio de Janeiro existem ruas reversíveis...de X horas a Y horas é num sentido e de W a Z em outro. Por que não fazer isso? Por que não trabalhar com elevados por toda cidade onde os ônibus circulassem de forma livre? Por que não investir para termos a verdadeira infraestrutura?


Aqui é Elrond Bruno que ficou ilhado na sexta feira, O DIA EM QUE RECIFE PAROU!

Nenhum comentário: